Curta a nossa rede social no Facebook: @sama.astronomia Curta a nossa rede social no Instagram: sama.astronomia

domingo, 6 de janeiro de 2019

100 ANOS DO COLLEGIO ASTRONÓMICO CAMILLO FLAMMARION


Por: Wendell dos Santos Monteiro


Aos dias 06 de janeiro do ano de 1919 era criado, em São Luís, o primeiro grupo de estudos em Astronomia Amadora do Brasil: o Collegio Astronómico Camillo Flammarion. O grupo de Astronomia era sediado no bairro da Jordoa, a 6,6 km do centro da capital maranhense, que, àquela época funcionava no Observatorio Orion - de propriedade do Engenheiro Militar José Eduardo Abranches de Moura - montado em excelente local da ilha, conforme afirmou o seu ilustre irmão João Dunshee de Abranches Moura em seu livro Uma Vida ... (1936).

O Collegio Astronómico Camillo Flammarion foi constituída inicialmente por sua diretoria, assim divindade:
1.    José Eduardo Abranches de Moura (presidente)
2.    Ruben Almeida (secretário)
3.    Adelman Correia (tesoureiro)
4.    Damasceno Ferreira (bibliotecário)

Figura 1: Observatorio Órion, São Luís, local de observação do Collegio Astronómico Camillo Flammarion. Da Esquerda para Direita: Adelman Correia (tesoureiro), José Eduardo Abranches de Moura (Presidente), Ruben Almeida (Secretário) e Damasceno Ferreira.

A edição número 1258, de terça-feira, do dia 07 de janeiro de 1919 de O JORNAL, mostra:
Alguns esforçados maranhenses acabam de preencher sensível lacuna, fundando nesta capital, uma corporação científica. Denomina-se ela: Collegio Astronomico Camillo Flammarion, e tem por escopo principal o estudo aprofundado da Astronomia e a difusão desse estudo pelo Estado, principalmente”.

Já a edição do jornal PACOTILHA, quarta-feira, 08 de janeiro de 1919, edição nº 00006 traz, também, a finalidade do recém-criado grupo de astronomia ludovicense:

“Dentro do seu círculo de ação procurará o collegio intensificar seriamente o estudo da astronomia entre nós e, consequentemente, das demais sciências que lhe são correlatas, e generalizar esses conhecimentos, para o que, além de diversos aparelhos que já possuem, vai procurar, afim de poder acompanhar o movimento progressista de tão importante ramo do saber humano”.

Passados 29 dias, o meio de comunicação O JORNAL, em 06 de fevereiro do 1919, pg. 4, publicou uma nota a respeito do Collegio Astronómico Camillo Flammarion, que se segue:
“Congregaram-se, ante-hontem, na rezidencia do seu presidente, a Gamboa, os socios fundadores dessa novel sociedade cienífica. Os novos estatutos foram discutidos”.

Aos 27 dias do mês de fevereiro do ano de 1919, página 4, O JORNAL traz em sua edição uma história biográfica do patrono que deu nome à PRIMEIRA instituição amadora de astronomia do Brasil, trata-se do Astrônomo Francês Camille Flammarion, em comemoração aos 77 anos de vida àquela época. O texto redigido no dia 26 de fevereiro de 1919 pelo presidente do Collegio Astronómico Camillo Flammarion, José Eduardo Abranches de Moura, foi publicado ao dia seguinte por falta de espaço no meio de comunicação.

Na quinta-feira do dia 20 de março de 1919, O JORNAL publicou uma matéria redigida pelo presidente do Collegio Astronómico Camillo Flammarion intitulado “NEWTON”. Nela mostra um perfil breve do grande cientista Isaac Newton, apresentando seus grandes feitos na história da ciência mundial, como segue o trecho extraído da edição:

“ [ ... ] veio, então, Newton, que foi muito mais longe, resumindo as três leis de Kepler em um princípio único, de uma extraordinária fecundidade, o da gravitação universal, que é a baze da Astronomia, principalmente a do systema solar”.

Aos dias 30 de abril de 1919, quarta-feira, o Collegio Astronómico Camillo Flammarion emitiu uma nota no O JORNAL, intitulada Mme Camille Flammarion, informando que:
“A 23 de fevereiro ultimo faleceu Mme. Sylvie Petieux-Hugo Flammarion, esposa do grande astrônomo Camille Flammarion”.

Vale ressaltar que a edição seguinte de O JORNAL – quinta-feira, 01 de maio de 1919 - trouxe a concluzão da nota intitulada Mme Camille Flammarion, iniciada no dia anterior.
Ao dia 14 de maio de 1919 o Collegio Astronómico Camillo Flammarion, através do seu presidente, publicou em O JORNAL uma nota com o título: o eclipze de 29 de maio, em que se mostra:

“Terá lugar, no dia 29 do corrente mez, um eclipse total do Sol, importante pela sua duração, que será a máxima a ser observada desde os tempos históricos e muito aproximada do maximo valor teórico”.
“Essa totalidade não se produzirá nesta capital, notando-se, porem, que a faze será a maior do que as de todas as capitais do Brazil. O disco solar ficará apenas 0,05 contesimos vizivel, devendo, portanto, ser muito grande a diminuição de luz. Aqui nesta capital dar-se-há o primeiro contacto ás 7h. 44 m e o ultimo ás 10h. 20 m sendo a faze máxima ás 8h. 57 m”.

Na terça-feira do dia 20 de maio de 1919, nove dias antes do Eclipse Total (visualizado, por exemplo, pelo físico teórico alemão Albert Einstein, em Sobral/CE), o secretário do Collegio Astronómico Camillo Flammarion, Ruben Almeida redigiu um texto em O JORNAL, intitulado como: eclipses. Eis um encurtado trecho:

“[...] Eclipse, que vem de uma palavra grega significando desfalecimento, abandono, quer dizer, em astronomia, a desaparição momentanea de um astro, no todo ou em parte. Eis uma definição simples. E que é que oculta esse astro? Outro astro, claro. [...]”.

A série eclipses, escrita por Ruben Almeida teve mais duas aparições antes do famoso eclipse total de 29 de maio do não corrente, trazida aos leitores em 22 de maio de 1919 e no dia seguinte, 23 de maio de 1919, ambos citando o Collegio Astronómico Camillo Flammarion como autor das notícias.

Ao dia 24 de maio de 1919 o Collegio Astronómico Camillo Flammarion fez a chamada de uma conferência, publicado em O JORNAL, edição nº 1374, a respeito do Eclipse Solar, e, a matéria segue na íntegra:

Figura 2: Chamada da Conferência sobre Eclipse do Sol

A conferência sobre o Eclipse do Sol promovida pelo presidente do Collegio Astronómico Camillo Flammarion, J. Abranches de Moura, em 26 de maio de 1919, segunda-feira, foi resumida e publicada no jornal PACOTILHA do dia 29 de maio de 1919, mesmo dia do fenômeno astronômico: o Eclipse Total do Sol. Em sua fala, J. Abranches de Moura discorreu sobre a brilhante frase:

“A Astronomia é a inspiradora, por excelência, de toda a filosofia e de toda a poesia. Alarga todos os horizontes e faz-nos viver intelectualmente”.

Aproveitando o interesse dos presentes, J. Abranches de Moura falou sobre outros aspectos da história da astronomia, incluindo a participação das mulheres. Eis um dos trechos de sua palestra:

“Outro facto, meus senhores, que tambem não posso deixar em silêncio, agora, que estou fazendo uma ligeira exposição da astronomia, consiste na opinião, que muitos têm, de que a mulher é inapta para os mistérios do Grande Todo. Nada mais absurdo do que isso. Porque motivo havemos de fechar as portas do templo de Urânia á mulher, quando a vemos salientar-se em todos os seus empreendimentos? E além disso não é de hoje que a encontramos entregue aos estudos elevados”.

E seguiu o discurso citando várias cientistas tais como Hipácia, Madame Lepaute, Marquesa de Chetelet, Carolina Herschell, etc.(NEOA-JBS, 2017).

Um dia após passado o eclipse solar, em 30 de maio de 1919, O JORNAL publicou o relatório da observação do eclipse realizada em São Luís/MA, intitulada:

O ECLIPSE DO SOL
“Comunicam-nos do Collegio Astronómico Camillo Flammarion.

A observação do eclipse foi feita em condições favoráveis: Os contactos foram bem observados; foram vistas nuvens irizadas, aprezentando diversas cores do spectro, embora muito enfraquecidas; as bússolas de declinação e inclinação aprezentaram variações; houve abaixamento de temperatura; as sombras das arvores, das mãos e de diversos objetos terrestres tomaram aspectos curiozos; as fotografias obtidas deram rezultados muito bons; as observações feitas sobre plantas e animais deram rezultados negativos.

Os observadores foram assim distribuídos: dr. Abranches Moura, na equatorial a 0.109 observava diretamente, fazia observações spectroscopicas e fotográficas; Rubem Almeida redigia as observações, tomando as leituras nos cronômetros e acompanhava as observações diretas e magnéticas; R. Damasceno trabalhava na luneta de observação por projeção e tomava as medidas com o micrometro Lugeol; Adelman Corrêa ocupava-se com as observações meteorológicas; Guilherme Mattos tomou a seu cargo o serviço fotográfico.

Diremos mais detalhes quando forem redigidas as observações”.

Já no jornal PACOTILHA de 30 de maio de 1919, o Collegio Astronómico Camillo Flammarion redigiu com mais detalhes os instrumentos utilizados no processo de acompanhamento do eclipse solar:
O ECLIPSE DO SOL

“Os instrumentos empregados foram:

1 equatorial Mailhat de 0,109 á qual estava adaptada, lateralmente, uma câmara fotográfica, com objectiva Goertz;

1 luneta paralática de 0,075 de Otto Pfeifer, para observação por projecção, tendo disco com círculo de posição, formando grupo com uma luneta micrométrica Lugeol.

1 luneta de 0,045 para observação fotográfica do fenômeno.

1 spectroscópio a luneta para observação da variação das cores do spectro.

1 spectroscópio a visão direta, adaptável a luneta de 0,109.

Findado os registros observacionais, o Collegio Astronómico Camillo Flammarion enviou um telegrama ao astrônomo Henrique Morize (Observatório Nacional) que se encontrava em Sobral/CE. O relatório foi enviado também à Sociedade Astronômica de França e foi citado na reunião dessa sociedade em 10 de novembro de 1920.

Passados meses, em 12 de dezembro de 1919, o engenheiro J. Abranches de Moura pediu exoneração do cargo de presidente do Collegio Astronómico Camillo Flammarion, como mostra o trecho de O JORNAL de 13 de dezembro de 1919, na íntegra:

Figura 3: Constituição da nova diretoria do Collegio Astronómico Camillo Flammarion

Conforme se percebe, a nova diretoria foi formada por:
1.    Ruben Almeida (presidente);
2.    Luiz Gonzaga dos Reis (secretário);
3.    Adelman Corrêa (tesoureiro);
4.    Damasceno Ferreira (bibliotecário).

Passaram a ser sócios do Collegio Astronómico Camillo Flammarion, aquela época, os professores Cleomene Falcão e Vitoriano Almeida.

O Collegio Astronomico Camillo Flammarion não apareceu mais nos jornais maranhenses da época, embora José Eduardo Abranches de Moura ainda continuasse escrevendo alguns artigos astronômicos.

De acordo com (NEOA-JBS, 2017), o Collegio Astronomico Camillo Flammarion ainda aparecia como “Sociedade Correspondente” da SAF na edição da revista L’Astronomie em 1921. Depois dessa data não se encontrou referências sobre o destino do Collegio Astronómico Camillo Flammarion.

Portanto, com as evidências das referências encontradas na pesquisa, o COLLEGIO ASTRONÓMICO CAMILLO FLAMMARION se tratou de ser o primeiro grupo de Astronomia Amadora do Brasil.


NOTA DO AUTOR:

O livro UMA VIDA ... de autoria de João Dunshee de Abranches Moura retrata: PERFIL BIOGRAPHICO DO PROFESSOR JOSÉ DE ABRANCHES MOURA EM HONRA AO SEU JUBILEO SCIENTIFICO. Nele aparece uma foto intitulado “O professor Abranches Moura no seu gabinete de trabalho”. Por se tratar de uma foto rara, nem mesmo encontrada na internet anteriormente, os créditos dos mesmos irão a biblioteca da Academia Maranhense de Letras (AML).
Figura 4: O professor Abranches Moura no seu gabinete de trabalho


OBSEVAÇÃO: A pesquisa e estudo sobre o Collegio Astronómico Camillo Flammarion continua. Sendo as mesmas desenvolvidas por membros da Sociedade de Astronomia do Maranhão (SAMA). Atualmente estão à frente da pesquisa: Wendell dos Santos Monteiro (presidente); Manuel Ricardo de Jesus Costa (secretário); Paulo Melo Sousa (sócio-fundador); Jaldir Varela (membro); Sérgio Luís Araújo Brenha (membro) e Marcelo Ramos (membro).


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

HEMEROTECA DIGITAL / Biblioteca Nacional. O JORNAL, 07 de janeiro de 1919.
HEMEROTECA DIGITAL / Biblioteca Nacional. PACOTILHA, 08 de janeiro de 1919.
HEMEROTECA DIGITAL / Biblioteca Nacional. O JORNAL, 06 de fevereiro de 1919.
HEMEROTECA DIGITAL / Biblioteca Nacional. O JORNAL, 27 de fevereiro de 1919.
HEMEROTECA DIGITAL / Biblioteca Nacional. O JORNAL, 20 de março de 1919.
HEMEROTECA DIGITAL / Biblioteca Nacional. O JORNAL, 30 de abril de 1919.
HEMEROTECA DIGITAL / Biblioteca Nacional. O JORNAL, 01 de maio de 1919.
HEMEROTECA DIGITAL / Biblioteca Nacional. O JORNAL, 14 de maio de 1919.
HEMEROTECA DIGITAL / Biblioteca Nacional. O JORNAL, 20 de maio de 1919.
HEMEROTECA DIGITAL / Biblioteca Nacional. O JORNAL, 22 de maio de 1919.
HEMEROTECA DIGITAL / Biblioteca Nacional. O JORNAL, 23 de maio de 1919.
HEMEROTECA DIGITAL / Biblioteca Nacional. PACOTILHA, 27 de maio de 1919.
HEMEROTECA DIGITAL / Biblioteca Nacional. PACOTILHA, 29 de maio de 1919.
HEMEROTECA DIGITAL / Biblioteca Nacional. O JORNAL, 29 de maio de 1919.
HEMEROTECA DIGITAL / Biblioteca Nacional. PACOTILHA, 30 de maio de 1919.
HEMEROTECA DIGITAL / Biblioteca Nacional. O JORNAL, 13 de dezembro de 1919.
MOURA, J. D. A. UMA VIDA ...: 1ª ed. Rio de Janeiro: TYP. DO JORNAL DO COMMERCIO RODRIGUES & C., 1936.
NEOA-JBS. Collegio Astronómico Camillo Flammarion. 2017, Disponível em: <http://acervoastronomico.org/acervo/CACF/collegio_astronomico_20171121.pdf>. Acesso em: 04.01.2019

terça-feira, 27 de novembro de 2018

SAMA realiza observação telescópica a alunos da disciplina de Astrobiologia da UFMA

A Sociedade de Astronomia do Maranhão (SAMA) realizou no último dia 26 de novembro de 2018 observação telescópica na Cocha Acústica da Universidade Federal do Maranhão (UFMA). A oportunidade foi para alunos da disciplina de Astrobiologia do curso de Ciências Biológicas da UFMA. Na ocasião foram observados os Planetas Marte e Urano, além da Nebulosa de Órion (região onde se encontra as três estrelas alinhadas: Mintaka, Alnilan e Alnitak – popularmente conhecidas como as 3 Marias).

A observação dos astros no céu engajou ainda mais a parte prática na disciplina de Astrobiologia, que é ministrada pelo Prof. Sérgio Luís Araújo Brenha, sendo o mesmo, também, membro efetivo da SAMA. A observação telescópica contou com as participações de Wendell Monteiro, atual presidente da SAMA; Manuel Ricardo, atual secretário geral da SAMA; E do mais novo membro da SAMA, Luan Costa.







sexta-feira, 23 de novembro de 2018

SAMA faz observação da Lua na 12ª Feira do Livro de São Luís

  




Curiosos de todas as idades se fascinam com a Lua
 
A Sociedade de Astronomia do Maranhão (SAMA) realizou na noite de 22/11/2018 uma atividade de observação telescópica do céu na Feira do Livro de São Luís (Felis). Os parcipantes do evento literário puderam observar gratuitamente detalhes da superfície lunar e até mesmo do planeta Marte. Várias pessoas aproveitaram a oportunidade. O evento foi gratuito e aberto ao público.

Estudantes e família observam a Lua pelo telescópio



sábado, 17 de novembro de 2018

Projeto "Astronomia na Praça" faz sucesso na Ilhinha


  A Sociedade de Astronomia do Maranhão (SAMA) realizou na noite do dia 15/11/2018 mais uma etapa do Projeto Astronomia na Praça. Dessa vez o local escolhido foi o, recém inaugurado, Canteiro da Avenida Ferreira Gullar na comunidade da Ilhinha em São Luís. A atividade tem como objetivo despertar o interesse dos jovens para a ciência e tecnologia através da contemplação da natureza. Três telescópios ficaram a disposição do público para observação de detalhes da superfície da Lua. Foi possível também observar o planeta Marte. Dezenas de pessoas, maioria de crianças, puderam participar do evento e aprender com a equipe de voluntários mais sobre o universo.

Público interagindo com  telescópios

Crianças curiosas com o céu

Observações e explicações

Interação com o público

Equipe de voluntários da SAMA

quinta-feira, 15 de novembro de 2018